segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

No Brasil!!!!! Boto Terapia!!!!!!!!! No Amazonas!!!!!!!!!!

Apresentação
Segue os padrões do modelo de Treinamento e Reabilitação Cognitivo-perceptual que consiste através de técnicas específicas diminuir e prevenir limitações oriundas de déficits Motor e Sensorial se existirem ou não.
Terapia assistida por animais
Terapia Assistida por Animais (TAA) se caracteriza por intervenções direcionadas, individualizadas e com critérios específicos onde um animal é parte integral do processo do tratamento. A TAA tem o objetivo de promover melhora na função física, social, emocional, e/ou cognitiva de pacientes humanos (DELTA SOCIETY, 1996).
As atividades terapêuticas assistidas utilizando-se animais podem ser desenvolvidas em qualquer ambiente, natural ou preparado, por profissionais, paraprofissionais e/ou voluntários especialmente treinados, em associação com animais que atendam a um critério específico (DELTA SOCIETY, 1996).
O homem vem utilizando animais para melhorar sua vida há séculos, tanto na produção (trabalho e alimento) quanto para a proteção e companhia. Mais recentemente, pesquisas vêm mostrando outros usos/benefícios trazidos pelos animais ao homem, como a TAA - Terapia Assistida por Animais. Dentre elas destacam-se a equinoterapia, animais nas escolas, animais em hospitais, em centros de reabilitação social, física, e emocional, cães guias, terapia assistida por golfinhos, entre outros (DOTTI, 2005). Segundo a pioneira Nise da Silveira a terapia assistida por animais é parte essencial no seu modelo de tratamento que "visa à coordenação do indivíduo como um todo: corpo-psique, pensamento-sentimento, intuição-sensação, através da função criativa existente dentro de todo ser humano."
Terapia assistida por golfinhos no mundo
Golfinhos são animais da intimidade dos seres humanos desde a antiguidade, próximos ou não, são representados em diversas formas de arte e cultura do ser humano há milênios, influenciando consciente ou inconscientemente diversas camadas do nosso ser (KRISTIN, 2006).
A terapia assistida por golfinhos (TAG) é uma forma de terapia complementar na área de saúde, conhecida há mais de quarenta anos em diversos países e têm efeitos positivos cientificamente comprovados, no humor e na auto-estima de pacientes (MARINO, 2007 HUMPHRIES, 2003; MCKINNEY, A; DUSTIN, D; WOLFF, R, 2001).
Geralmente as atividades da TAG envolvem crianças que participam de sessões lúdicas especializadas, em grupo ou individualizadas, com profissionais da área da saúde (por exemplo, fonoaudiólogos, médicos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, psicólogos dependendo da deficiência da criança e do tipo e objetivo do tratamento), as crianças interagem com golfinhos previamente treinados, seguidas ou antecipados por sessões de estimulação cognitiva, física, emocional ou social (LUKINA, 1999; SERVAIS, 1999).
As sessões de TAG são direcionadas para captar a atenção da criança e desta forma complementar ou reforçar outros tratamentos mais tradicionais (NATHANSON, 1998). A TAG consiste em definir metas para o tratamento individual da criança, como o de melhorar a comunicação da mesma com o meio ambiente, e a partir disso utilizar dos efeitos lúdicos da interação e brincadeiras com os golfinhos.
As crianças são estimuladas a entregar objetos para os animais e assistirem seu comportamento sendo estimuladas a se relacionar com o meio ambiente através da percepção dos movimentos destes encantadores animais (Por exemplo, entregando um anel flutuante para os golfinhos para estes brincarem com o mesmo). Os materiais tipicamente presentes durante uma sessão de TAG são: anéis flutuantes, bolas de borracha, brinquedos aquáticos (HUMPHRIES, 2003; MCKINNEY, A; DUSTIN, D; WOLFF, R, 2001).
A Fundação AquaThought pesquisa interações humanas com golfinhos em dois locais nos EUA: Atlanta e Flórida. É uma organização respeitada cujo objetivo é estudar e quantificar o impacto neurológico das interações de golfinhos e seres humanos, e os fenômenos terapêuticos relacionados a esta pratica.Em 1996, uma equipe de terapeutas formados e especializados em crânio sacral pelo Upledger Institute (IU), em Palm Beach Gardens, Flórida, EUA., começou uma parceria para realização de pesquisas junto ao Centro de Pesquisas Humano-Golfinho em Gress-Kay, Flórida. O objetivo foi determinar os efeitos da aplicação de terapia crânio-sacral (CST) para os clientes com disfunções neurológicas, onde os golfinhos estão presentes e em contacto físico com o cliente.
Esses resultados revelam a integração inter-hemisférica, o aumento das redes de neuroplasticidade e a redução das ondas cerebrais despadronizadas, presentes em pessoas com disfunções neurológicas ou com altos níveis de stress, revelam também o aumento de ondas cerebrais encontradas em estados meditativos e em orgasmos, corroborando com resultados encontrados em outros centros de pesquisas que utilizam a mesma técnica em outros países (HUMPHRIES, 2003; MCKINNEY, A; DUSTIN, D; WOLFF, R, 2001; LUKINA. N. 1988; LIKURA, Y, SAKAMOTO, Y., IMAI, T., AKAI, L., MATSUOKA, T., 2001).
As interações com os golfinhos podem incluir tocar, brincar, realizar um curto passeio de exploração segurando na barbatana dorsal do golfinho, ou dançar em um movimento circular com o animal. As interações são realizadas sempre por profissionais treinados e com afinidade com os golfinhos, são utilizadas boias salva-vidas e os contatos são constantemente monitorados. Logo depois as crianças e os treinadores podem recompensar os animais alimentando-os sentados em uma plataforma submersa.
Terapia assistida por golfinhos no Brasil
Início em julho de 2005, município de Novo Airão. Reinicio em 2008 no Hotel de Selva ARIAÚ AMAZON TOWERS.
Interações sub-aquáticas: Ser aceito pelo grupo, imitar os movimentos dos animais, alimentar no final e dentro de especificações de 2 a 4 % do peso do animal, trocar alimentação por interações lúdicas, desenvolver o toque e confiança e integração à Natureza.
Boto
Dentre todos os golfinhos, o golfinho de rio, mais conhecido na região como boto, é um dos que possui o sonar mais potente, resultado da pouca visibilidade de nossos rios. Destes o Inia Geoffrensis, ou boto vermelho, se destaca pelo enorme tamanho do sonar e é o mamífero que mais alegremente participa de nosso projeto.
Características dos animais: Peso ao nascimento em torno de 7 kg, tamanho ao nascimento 80 cm, peso adulto 85 a 160 kg, tamanho adulto 1,8 a 2,5 m, estação de procriação de outubro e novembro, nascimento de filhotes de maio a julho e duração da lactação 1,5 anos. É mais ativo ao amanhecer e ao entardecer, horário de descanso com sol a pino, cada mergulho dura de 30 a 40 seg. até 3 minutos, não dorme, mas cochila reduzindo seu metabolismo revezando entre os indivíduos do grupo. Fonte: (SILVA, 1998).
Metodologia
Segue os mesmos princípios da Fisioterapia Assistida por Golfinhos realizada em outros países, com adaptações e inovações pelo fato dos botos vermelhos (Innia Geoffrensis) se encontrarem em seu habitat natural, livres na natureza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário