quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Matéria Sobre Autismo em BH Jornal O Tempo

Ao perceber que seus filhos, que sofrem de autismo, não teriam suporte adequado em uma creche pública de Belo Horizonte, o educador Maurício Moreira ofereceu apoio técnico à instituição. Ele passou seis meses como voluntário em uma Unidade Municipal de Educação Infantil (Umei) da região Norte da capital, prestando suporte na adaptação de Matheus, 3, e Maxwell, 5.
O educador percebeu a necessidade de "intervir" pela dificuldade de os educadores em adequar o ensino aos seus filhos. O autismo é um transtorno que afeta a capacidade de comunicação e socialização da criança. "Faltam políticas públicas voltadas exclusivamente para essas pessoas. É preciso que os autistas sejam considerados deficientes, o que lhes garantiriam benefícios como educação especializada, centros de tratamento, gratuidade no transporte e aposentadoria", afirma Maurício Moreira, que é diretor de eventos do Instituto Superação.
Dados de 2007 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que, em Minas Gerais, 147 mil pessoas têm o transtorno, 20 mil delas na capital. Em dezembro do ano passado, o prefeito Marcio Lacerda vetou o projeto que incluiria o autismo como uma deficiência, sob o argumento de que a medida é preconceituosa. Além disso, o município informou que a cidade já oferece tratamento diferenciado na educação e na saúde para autistas.
Moreira discorda. "Não consigo manter uma continuidade no tratamento dos meus filhos porque, na rede pública, é difícil encontrar profissionais qualificados". Para aliviar sintomas como a irritabilidade, dificuldade de sociabilização e convívio, o autista precisa ser acompanhado por uma equipe multidisciplinar, com médico neurologista, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo etc.
Para o psicólogo e psicanalista da Fundação de Atendimento Especializado de Nova Lima (Faenol) Marcelo Bizzotto Pinto, a grande dificuldade dos pacientes está no respeito às diferenças. "Os autistas precisam que as pessoas se adaptem à realidade dele, sem que sejam criadas barreiras e constrangimentos".


 

3 comentários:

  1. Muito legal sua matéria Mauricio!!! Vc disse coisas que muitos pais gostariam também de dizer e não tem oportunidade!! Valeu!! :)

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Maurício pela matéria. Estou divulgando no blog do André com as devidas referências. Você é muito coerente nas suas colocações.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. A matéria foi simples e objetiva,todos entenderam!!!Obrigado por me representar e ter coragem de falar o que meu coração tá cheio!!!Muita força prá vc meu amigo!!!!!!!

    ResponderExcluir