domingo, 25 de março de 2012

Jornal Folha de Contagem AUTISMO

Autismo: mal atinge mais de um milhão de brasileiros

Mesmo cercados por um mundo de luzes, cores e sons, os portadores de Autismo vivem em seu universo particular. Razão pela qual as pessoas que não têm conhecimento sobre o tema, tratem o problema como um tipo de transtorno mental, em lugar de procurar entender o caso, e se interessar em ajudar os portadores do mal e seus familiares.

O autismo é uma síndrome cientificamente conhecida como Transtornos Globais do Desenvolvimento - TGD, que atinge milhares de pessoas em todo o planeta. De acordo com dados de dezembro de 2009, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças - CDC, dirigido pelo governo dos Estados Unidos e ONU, devem existir mais de 70 milhões de pessoas afetadas pelo autismo no mundo, ou seja, um caso a cada 150 habitantes.

Síndrome

Ainda de acordo com os dados revelados, os meninos possuem mais propensão de ter a doença do que as meninas. E os estudos realizados no Brasil, pelo Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, através do Projeto Autismo, revelam que aproximadamente 1milhão de brasileiros são acometidos pelo mal.

Normalmente, o autismo manifesta-se nas crianças por volta dos três anos de idade. Em Contagem a dona de casa, Josy Silva, de 32 anos, descobriu que o filho, 'R.', de 5 anos, é portador da síndrome, mas que, até completar um ano e quatro meses, a criança era sadia e normal. Segundo ela, a doença começou a se manifestar após sofrer um Acidente Vascular Cerebral - sendo obrigada a ficar um período longe do filho. "Foi exatamente depois deste fato, que começamos a observar que o comportamento do meu filho estava mudando; ele ficava batendo em um mesmo lugar e não prestava atenção no que falávamos com ele", revelou Josy.

O diagnóstico da doença não é fácil e muitos pais demoram a notar ou não querem aceitar que algo está errado com o filho. A psicóloga, Maria Cristina Machado, que há 30 anos atende pacientes acometidos pelo autismo, ressalta que é comum escutar queixas dos pais de que 'meu filho não fala', ou, 'ele parece surdo, desligado'.

A psicóloga alerta que os pais, ao diagnosticar o problema no filho, não devem procurar um culpado pela situação e sim um tratamento adequado e entender a situação. "Se os pais notarem os sintomas do autismo na criança, devem levá-la a um psiquiatra infantil, que é o profissional habilitado para diagnosticar e tratar do transtorno", disse Maria Cristina.

Sinais

De acordo com a psicóloga, uma das principais características da síndrome, e que deve ser bem observada, são os movimentos repetitivos com o corpo, principalmente, com as mãos, a aversão ao toque, apatia e dificuldade de manter o contato olho no olho. Mas há outras situações que podem caracterizar o autismo: "crianças de 1 a 3 anos que não falam, têm hipersensibilidade aos sons, só fala por meio da repetição de frases que ouviu, que se isolam constantemente, têm fascinação por água, irritação ou agressividade quando são contrariadas", relacionou.

Ainda segundo a psicóloga, alguns estudos já mostram que existem casos mais graves e, em geral, associados ao retardo mental, e que muitas vezes passam despercebidos até pelos médicos. Eles constituem entre 20% a 30% dos autistas; que são pessoas inteligentes, capazes de falar e com alto potencial de aprendizado. Nesta situação mais agressiva, os pacientes são classificados como portadores da síndrome de Asperger.

Brasil pode ter legislação pioneira

No país ainda se tem uma tímida atenção das autoridades e governantes para a criação de políticas de saúde pública para o diagnóstico e tratamento do Autismo, o que leva, naturalmente, ao baixo incentivo para pesquisas e estudos para entender a real situação e mapeamento da doença no país, em como uma estrutura de atendimento.

De acordo com os especialistas, como em outras doenças, quando mais cedo o mal é diagnosticado, pode-se oferecer melhor qualidade de vida aos portadores deste transtorno. Neste sentido, já tramita no Congresso \nacional, mais precisamente no Senado Federal, o Projeto de Lei Nº 2702/2009, que propõe a criação do Sistema Nacional Integrado de Atendimento à Pessoa Autista, que seria integrado ao Sistema Único de Saúde - SUS.

Caso o projeto, que tem como relator o senador Paulo Paim (PT-RS), seja aprovado e se transforme em Lei, será uma das primeiras legislações no mundo a tratar o autismo como caso de saúde pública, incluindo cadastro, capacitação de profissionais de saúde, criação de centros de atendimento especializado, além da inclusão do autista no grupo das pessoas portadoras de deficiência.

Apoio

Como o SUS, ainda, não possui um atendimento especial aos portadores de autismo, várias unidades de prefeituras atendem as famílias dos pacientes para orientação. Em Contagem quem precisar de apoio e informações sobre o assunto podem procurar o Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil - CAPSI, que funciona na Rua Joaquim Camargo, 47, no Centro de Contagem. Mas é bom lembrar que o profissional ideal para fazer a avaliação e diagnosticar a doença, é um psiquiatra.

NeveNews Autismo!!!!!!!!!!!!

AUTISMO: Omissão dos políticos e falta de recursos agravam qualidade de vida dos portadores da doença

segunda-feira, 19 de março de 2012

DIA DA CONCIENTIZAÇÃO DO AUTISMO 2012

Amigos dos Autistas de Minas Gerais

Em Breve terá inicio os Eventos de Concientização do Autismo em MG

A seguir a nossa Programação

Dia 31 de Março as 14 Horas

Palestra Sobre Autismo na Camara Municipal de Contagem

Dia 1 de Abril as 9 Horas
Encontro dos Movimento em Prol das Pessoas Autistas de MG
na Praça da Liberdade BH

Dia 2 de Abril as 13:30 Horas
Deficiencia em Debate

A situação atual dos Afetados pelo Autismo.

Com Dr Walter Camargos Junior Especialista em Autismo
Dia 2 de Abril das 13:30 as 17 horas
No Teatro Marilia, Av. Alfredo Balena 586 Centro
Inscrições:
31 3277 4678 caappdbh@pbh.gov.br
17 horas



Dia 4 de Abril as 14 Horas

Será Realizada Audiencia Pública como o Tema Autismo!!!!
Para discultirmos O que mudou no ultimo ano no serviço Publico Municipal
Camara do Vereadores de BH.

 

Apoio







quarta-feira, 14 de março de 2012

Jovem autista canta perfeitamente e está prestes a gravar um CD


   Reprodução
Diagnosticado com autismo aos 3 anos, o garoto inglês Kyle Coleman conseguia falar apenas três palavras. Em 2009, por acaso, sua mãe Caroline levou seu filho a uma aula de musicoterapia.

Diante do entusiasmo, a musicoterapeuta Carine Kelley passou a ir à casa do garoto duas vezes por semana. Ela descobriu que a música é uma forma instintiva de Kyle expressar suas emoções.

“Ficou claro imediatamente que ele tinha uma afinidade natural com elementos musicais e poderia recriar suas canções favoritas no teclado sem o conhecimento prévio”, disse a especialista. 


        Quando o garoto, que não falava até os 20 anos, canta, sua expressão ganha vida e ele se sente confiante. Ao perceber que seu filho tinha um dom, sua mãe levou-o a um estúdio de gravação para ver como ele se comportava. Sem se incomodar com a nova experiência, Kyle gravou sua canção favorita.
O proprietário do estúdio ficou tão impressionado com a capacidade dele que sugeriu a Caroline a gravação do CD como uma forma de arrecadar fundos para o tratamento do filho. Agora, 18 meses depois, Kyle está se preparando para a estreia, que será em abril.

“Nunca houve um álbum gravado por um jovem autista com linguagem limitada. O pai de Kyle era músico e morreu, de repente, há 2 anos em um acidente de moto. Acho que essa sua capacidade vem do seu pai”, disse à mãe ao jornal britânico Daily Mail.

Kyle gravou nove covers, entre eles músicas de Robbie Williams. Mas há uma música muito especial, que foi escrita especialmente para ele e fala sobre autismo. O CD está sendo apoiado pela Sociedade Nacional de Autismo e será lançado em 2 de abril, no Dia Mundial do Autismo. Todo o dinheiro arrecadado vai para instituições de caridade. O CD poderá ser comprado diretamente em
www.kylecoleman.co.uk.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Dia da Concientização do Autismo em Contagem 2012

Câmara Municipal de Belo Horizonte derruba veto que reconhece autismo como deficiência

Por 28 votos a três, a Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH) derrubou nesta quinta-feira (1º) o veto do prefeito Marcio Lacerda ao Projeto de Lei 1794/2011, que reconhece o autismo como deficiência, tendo direito à gratuidade no transporte coletivo urbano e acesso a outros programas da prefeitura. Dezenas de pessoas com autismo, familiares e representantes de instituições de apoio acompanharam a votação. “A partir de agora os autistas e seus familiares saem do limbo da legislação e passam a ser, verdadeiramente, incluídos como cidadãos”, afirmou o vereador Leonardo Mattos, autor do projeto.
Em desacordo com a argumentação do Executivo, vereadores entenderam que o acesso ao atendimento especializado ainda é muito difícil para pessoas de baixa renda. Nesse sentido, o PL 1794/11 atenderia a uma importante demanda da sociedade. O projeto prevê a oferta de tratamento para o autismo em centros de atendimento integrado de saúde e educação a serem mantidos em todas as regiões do município; propõe a realização gratuita de testes para diagnóstico da deficiência, principalmente em crianças de 14 a 20 meses de idade, e a disponibilização de todo o tratamento especializado. O texto ainda prevê que o Município se comprometa a incentivar o desenvolvimento de pesquisas e projetos multidisciplinares em universidades sediadas na capital, com foco no autismo e na melhoria da qualidade de vida dessas pessoas.
Como previsto na Lei Orgânica do Município, após a rejeição do veto, a proposição de lei será enviada ao Executivo para promulgação. Se a lei não for promulgada pelo Prefeito dentro de 48 horas, o presidente da Câmara a promulgará.

terça-feira, 6 de março de 2012

Jornal da Camara de BH, Sobre Veto PL 1794/2011

Vestido de Homem-Aranha, bombeiro salva menino com autismo


Bombeiro tailandês vestido de Homem-Aranha resgata menino de 8 anos que sofre de autismo. Foto: AFP
Um bombeiro tailandês se transformou em super-herói depois de fantasiar-se como o personagem Homem-Aranha para resgatar ontem um menino que sofre de autismo e estava sentado no parapeito de uma janela, informa nesta terça-feira a agência AFP.
Os professores de uma escola para alunos com necessidades especiais da capital Bangcoc chamaram os bombeiros depois que um aluno de 8 anos sentou-se no parapeito da janela do terceiro andar do edifício e recusou-se a sair de lá por estar com medo do primeiro dia de aulas.
A mãe do aluno também foi chamada e contou às autoridades que seu filho era apaixonado por revistas em quadrinhos de super-heróis. O bombeiro Sonchai Yoosabai voltou à sua unidade e vestiu-se de Homem-Aranha para tentar atrair a atenção do menino.
"Eu disse a ele: 'o Homem-Aranha está aqui para salvá-lo, nenhum monstro vai atacá-lo'. Então pedi que ele caminhasse lentamente até a minha direção, já que correr seria perigoso", afirmou o bombeiro à televisão local.
O menino imediatamente levantou-se e caminhou até Somchai.
Ele explicou que guarda fantasias do Homem-Aranha e do personagem japonês Ultraman para demonstrações e exercícios de combate a incêndios em escolas.

sexta-feira, 2 de março de 2012

Plenário derruba veto ao PL que reconhece o autismo como deficiência

Plenário derruba veto ao PL que reconhece o autismo como deficiência
Quinta-feira, 1 Março, 2012
Diante da rejeição do Executivo ao Projeto de Lei 1794/11, que prevê o reconhecimento de pessoas com autismo como deficientes para usufruir dos direitos previstos por lei, o autor Leonardo Mattos (PV) conseguiu apoio de 28 vereadores que votaram pela derrubada do veto em reunião plenária nesta quinta-feira (01/03). A votação foi acompanhada por dezenas de pessoas com autismo, familiares e representantes de instituições de apoio.
Plenário derruba veto ao PL que reconhece o autismo como deficiência
Na primeira reunião plenária de março, realizada nesta quinta-feira (01/03), os vereadores rejeitaram o veto do Prefeito Márcio Lacerda ao Projeto de Lei 1794/11, proposto por Leonardo Mattos(PV), que reconhece a pessoa com autismo como pessoa com deficiência, garantindo a ela os direitos específicos previstos em lei. Dezenas de pessoas com autismo, familiares e representantes de instituições de apoio acompanharam a votação, pedindo a derrubada do veto que havia sido publicado em dezembro de 2011 sob o argumento de que a medida é preconceituosa e de que a PBH já oferece serviços diferenciados aos autistas.
Em desacordo com a argumentação do Executivo, vereadores entenderam que o acesso ao atendimento especializado ainda é muito difícil para pessoas de baixa renda. Nesse sentido, o PL 1794/11 atenderia a uma importante demanda da sociedade. O projeto prevê a oferta de tratamento para o autismo em centros de atendimento integrado de saúde e educação a serem mantidos em todas as regiões do município; propõe a realização gratuita de testes para diagnóstico da deficiência, principalmente em crianças de 14 a 20 meses de idade, e a disponibilização de todo o tratamento especializado. O texto ainda prevê que o Município se comprometa a incentivar o desenvolvimento de pesquisas e projetos multidisciplinares em universidades sediadas na Capital, com foco no autismo e na melhoria da qualidade de vida dessas pessoas.
Autor do PL, Leonardo Mattos explica que o autismo é uma ‘inadequacidade’ no desenvolvimento que se manifesta de maneira grave por toda a vida. É incapacitante e aparece tipicamente nos três primeiros anos de vida. Segundo a ASA - Associação Americana de Autismo (Autism Society of American), os sintomas são causados por disfunções físicas do cérebro, incluindo distúrbios no desenvolvimento de habilidades físicas, sociais e linguísticas.
Como previsto na Lei Orgânica do Município, após a rejeição do veto, a proposição de lei será enviada ao Executivo para promulgação. Se a lei não for promulgada pelo Prefeito dentro de 48 horas, o Presidente da Câmara a promulgará.
Superintendência de Comunicação Institucional

Autismo no Programa Brasil das Gerais

Jornal Atos Hoje Autismo na China

01/11/05 - 12:00

Em: Campo Missionário Por: Adriana Santos(0) Comentários

China: ajuda a autistas

China: ajuda a autistas

Cristãos chineses estão tomando a atitude de ajudar crianças autistas

O chinês é uma língua muito expressiva. A palavra chinesa para "autismo" é, literalmente, "fechado em si mesmo" (zibizheng). Um termo alternativo é guduzheng – "a doença do solitário". Ambos os termos, de maneira triste, expressam exatamente a natureza dessa doença que está infligindo crescente número de crianças na China como em muitos outros paises.

Cristãos chineses estão tomando a atitude de ajudar crianças autistas. Um longo artigo na edição de maio do impresso Tianfeng deu detalhes, e nós traduzimos partes principais como as seguintes: especialistas chineses começaram a pesquisar sobre autismo em 1982, e de acordo com estimativas conservadoras, na presente China tem por volta de um milhão de pessoas que sofrem de autismo. Mas como o autismo mostra alguns sintomas similares à doença mental, algumas vezes são confundidas em muitos paises. Assim, na China, o número dos que são tidos como doentes mentais podem, de fato, estar sofrendo de autismo.

Autismo é uma doença que afeta seriamente o desenvolvimento da criança. É comum o aparecimento em crianças abaixo de três anos de idade e se manifesta seriamente na interação social afetiva, comunicação de linguagem e limita o interesse. Características importantes são estranhas ou sem discernimento. Em 1943 o Dr. Kanner, na América, definiu o autismo clinicamente de maneira clássica. Nos anos recentes o mundo médico tem descoberto que o número de incidência do autismo tem crescido rapidamente no mundo todo. Esta é uma condição vitalícia que trás um sofrimento sem palavras não somente para o paciente, mas para os familiares e toda a sociedade.

Em 14 de abril, Qingdao recebeu o TSPM/ Conselho Cristão Chinês, "Tratamento de crianças com autismo". Conferência com especialistas da China e do estrangeiro. Obreiros de igrejas de Shanghai, Hangzhou, Qingdao and Dalian participaram assim como representantes de Serviços Educacionais de intercâmbio com a China (ESEC) e liderança de intercâmbio cristã (organizações americanas), assim como estudiosos e mestres de Hong kong com base na Escola de Graduação em Teologia da China etc.

Em 15 de abril Fang Jing, a fundadora do Elim, Departamento de Treinamento em Autismo de Qingdao e do Instituto Municipal de Pesquisa do Autismo, deu informações sobre o método de tratamento. Mais de 20% das crianças do Elim conseguem retornar a uma vida normal ou quase normal, depois do tratamento. Isto teve um profundo impacto na conferência. O tratamento tradicional para crianças autistas inclui correção de comportamento, terapia da fala e terapia com música. Como já se sabe, criança autista, geralmente, tem talento musical. Dr. Rimland da Associação Americana do Altismo mostrou que as atividades musicais podem melhorar o senso de participação e soprar vida no maçante treinamento.

A ajuda no tratamento da criança autista é um novo serviço social de incumbência da igreja chinesa e da igreja de Qingdao. A conferência mostrou que o tratamento efetivo não inclui somente o tratamento científico e sabedoria técnica, mas amor pela criança.

O reverendo Deng Fucun, diretor do TSPM/CCC Departamento de Serviço Social, disse que as igrejas em Shanghai, Hangzhou, Dalian e outras estarão, em breve, desenvolvendo este serviço social especializado. Ele espera que mais igrejas e especialistas em autismo participem.

Os planos do Elim são de expandir o programa; de três professores para sessenta, e mais os trabalhadores.

A beleza da primavera de Qingdao nos ajudou a ver como mais "pessoas do Elim" de todas as igrejas chinesas podem retirar as crianças autistas do mundo escuro em que vivem com os acordes do amor.

É encorajador ver cristãos chineses tomando esta iniciativa. Organizações cristãs estrangeiras e indivíduos com habilidades necessárias também podem ajudar. Se você se sente chamado por Deus a ajudar crianças autistas na China, por favor, faça contato com um representante do OMF para uma oportunidade de curto período ou um período longo de trabalho.

Cristianismo é a nova revolução na China

Um longo artigo, recentemente no jornal britânico Daily Telegraph, destacou o magnífico crescimento do cristianismo na China moderna. Aqui estão alguns pontos significantes: um salão de beleza, perto do Zoológico de Beijing oferecia aos seus clientes não apenas tratamentos faciais e manicuro, mas a palavra do Senhor. Seu dono vê o salão de beleza como um bom lugar para transformação de corpo e alma. "Eu introduzi 40 pessoas na igreja no ano passado", ele disse.

Numa revolução social o cristianismo tem se espalhado pelas cidades, zona rural e comunidades chinesas. As igrejas sancionadas pelo estado (católicas e protestantes) declaram como fato mais de 35 milhões de seguidores. Mais significante são as igrejas "subterrâneas" ou nos lares que dizem ter 80 ou até 100 milhões de membros.

Visitas às vilas na área rural, igrejas no interior ou no meio urbano, em Beijing, confirmam a facilidade com que se ganham as conversas. "Pessoas da cidade têm problemas reais", disse o dono do salão. "Então, para nós é fácil ganhá-los para o cristianismo". Na área rural, as pessoas estão mais ricas que antes, mas continuam ter problemas com a saúde e relacionamento familiar. "Nós temos poucas pessoas que acreditam no comunismo como fé, então existe um vazio em seus corações". A mãe dele é cristã e o pai, um aposentado de nível rural da secretaria do Partido Comunista, é simpatizante.

Uma mulher contou a um grupo de cem oficiais na igreja protestante em Beijing: "A filha do meu irmão tinha um vírus que os médicos nunca tinham visto antes. Todos tinham perdido as esperanças. Mas eu orei por ela e ela foi curada. Agora a família dela segue a Jesus também". Aos 33 anos, ela veio de Anhui, uma província pobre da China central. Na vila dela, a igreja nos lares tinha crescido de 5 ou 6 pessoas para 100 em cinco anos. A associação do cristianismo ao poder de cura, pode ser embaraçosa no oeste, mas na China é uma força motora para a conversão, principalmente, na zona rural onde há falta de serviço de saúde.

As regras na China são tidas como ambíguas sobre o crescimento do cristianismo. Alguns vêem ênfase disso na moralidade pessoal como a força para estabilidade. As igrejas nos lares que continuam com a autoridade e teologia das organizações oficiais são freqüentemente abandonadas. Mas muitas rejeitam o Partido controlador sobre a prática cristã e doutrina, e estas são vistas como ameaça. Além do mais, 80 milhões de membros significaria que agora são mais cristãos que comunistas na China. Mas estes números são ainda tão incompletamente apurados que nós estamos nos deparando com um desenvolvimento muito marcante na história não apenas da Ásia, mas da humanidade.

Poucos acreditam que muitos dos 70 milhões de membros do Partido mantenham a ‘fé’ acesa. Este ano, o Politburo facilitou os registros para as igrejas, mas ao mesmo tempo deslanchou a onda de perseguição para os que se recusaram.

Zhang Rongliang é o diretor da Igreja Cristã para a China, tida como a maior com 10 milhões de membros. Ele foi preso em dezembro e continua na cadeia. Um número de pastores e seguidores tem sido pego, com católicos romanos, inclusive bispos secretos. Grupos estrangeiros dizem que os cristãos são regularmente açoitados e um foi morto em custódia da polícia.

Advogados dizem que as autoridades tentam não acusar os cristãos de ofensas religiosas por medo da crítica estrangeira.

O dono do salão de beleza nunca tinha tido problema. Mas depois que despediu um empregado anticristão foi vítima de uma batida policial. Aconteceu que o salão não tinha uma licença apropriada para acupuntura e recebeu uma multa pesada que não teve condições de pagar tendo que passar o negócio para outro. Ele tem dúvidas se foi a acupuntura ou o Evangelho que incomodou as autoridades.

O crescimento das igrejas evangélicas na China é uma história de muita coragem e fé num status de homem como criatura moral, para quem o bem e o mal são uma eterna verdade que não pode ser redefinida por políticos. (Daily Telegraph, 30 de julho de 2005.)