quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Famílias de autistas ganham indenização na Justiça por maus-tratos

21/01/2013-12h53

Famílias de autistas ganham indenização na Justiça por maus-tratos

IARA BIDERMAN
DE SÃO PAULO

 
Uma decisão em primeira instância condena o Estado de São Paulo a indenizar dois jovens com autismo grave, representados por suas mães, por danos morais devido a maus-tratos sofridos durante internação na Casa de David Tabernáculo Espírita para Excepcionais. A instituição, que atende pacientes com deficiência intelectual e autismo, é conveniada do Estado.
A sentença determina a indenização de R$ 15 mil para os autores da ação: os deficientes Leandro Pereira Moras e Luccas Pereira dos Anjos.
Em São Paulo, uma lei obriga o Estado a providenciar unidades especializadas adequadas ao tratamento educacional e de saúde de autistas.
As mães de Leandro e Luccas conseguiram que os filhos fossem tratados às custas do Estado e eles foram para a Casa de David, em 2008.
Logo após a internação elas começaram a perceber os maus-tratos sofridos pelos filhos. A diarista Nildete Pereira de Brito, 56, mãe de Leandro, conta que, em visitas à instituição, encontrou o filho amarrado na cama e com escoriações na face.
A mãe de Luccas, Terezinha Secundino Pereira, relata que viu o filho com pontos na cabeça. "Ninguém me explicava o que acontecia. Pegaram rixa porque a gente reclamava."
Nildete e Terezinha levaram as denúncias ao Ministério Público e à Defensoria Pública do Estado de São Paulo.

No final de 2009, foi determinada uma inspeção judicial na Casa de David.
Nos laudos, a instituição foi considerada inadequada. Em 2010, Leandro e Luccas conseguiram transferência para o Hospital João Evangelista.
Exames realizados no hospital, atestam que Luccas chegou ao local com desnutrição, parasitose intestinal, micose, verrugas causadas por vírus e piolhos. Leandro estava com escoriações, parasitas no intestino e micose.
Mesmo apresentando melhora, Leandro morreu, em setembro do ano passado, após crise convulsiva.
A sentença do Juiz de Direito Alexandre Bucci considera que o Estado foi omisso em relação à fiscalização e seleção da instituição conveniada e que é inadmissível ter permitido aos jovens incapazes permanecer "em uma verdadeira casa de horrores".
O advogado da Casa de David Nilson Bellotto afirma que as acusações são falsas e contesta o laudo da Cremesp.
A Procuradoria Geral do Estado já entrou com recurso. A Defensoria Pública também vai recorrer, por considerar o valor da indenização irrisório. "Por R$ 15.000, fica muito barata uma vida", diz a defensora pública, Renata Tibyriça.


http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1218032-familia-de-autistas-ganham-indenizacao-na-justica-por-maus-tratos.shtml
Marlene Bergamo/Folhapress
Nildete Brito mostra a foto do filho Leandro; jovem morreu em setembro após sofrer uma convulsão
Nildete Brito mostra a foto do filho Leandro; jovem morreu em setembro após sofrer uma convulsão
 

domingo, 27 de janeiro de 2013

Belo Horizonte se antecipa na defesa das pessoas com deficiência


Belo Horizonte se antecipa na defesa das pessoas com deficiência

 
Quinta-feira, 24 Janeiro, 2013
Lei federal publicada em dezembro, reconhecendo o autismo como deficiência, traz medidas já em vigor na capital
criança isolada (representa autismo)
Promulgada pelo Legislativo Municipal no 1º semestre do ano passado, após rejeição ao veto total do prefeito à proposição, a Lei nº 10.418, de 09 de março de 2012, reconhece a pessoa com autismo como pessoa com deficiência, garantindo a ela a fruição de direitos específicos previstos em lei. A iniciativa dos parlamentares se antecipa em relação a avanços agora determinados em nível nacional pela Lei 12.764, de 27 de dezembro de 2012, que institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista.
Proposta pelo vereador Leonardo Mattos (PV), a lei municipal determina a extensão de direitos já garantidos às pessoas com deficiência àquelas com autismo. Em acordo com a legislação em vigor (referente às pessoas com necessidades especiais), a nova lei prevê a oferta de tratamento para o autismo em centros de atendimento integrado de saúde e educação a serem mantidos em todas as regiões do município; propõe a realização gratuita de testes para diagnóstico da deficiência, principalmente em crianças de 14 a 20 meses de idade, e a disponibilização de todo o tratamento especializado. A lei ainda determina que o município se comprometa a incentivar o desenvolvimento de pesquisas e projetos multidisciplinares em universidades sediadas na capital, com foco no autismo e na melhoria da qualidade de vida dessas pessoas. 
O autismo pode ser caracterizado por deficiências persistentes de comunicação e interação social; ausência de reciprocidade social; falência em desenvolver e manter relações apropriadas à idade; padrões restritivos e repetitivos de comportamentos, interesses e atividades e excessiva aderência a rotinas e padrões de comportamento ritualizados. De acordo com a ASA - Associação Americana de Autismo (Autism Society of American), os sintomas são causados por disfunções físicas do cérebro, incluindo distúrbios no desenvolvimento de habilidades físicas, sociais e linguísticas. 
Com a nova lei em âmbito nacional, as pessoas com autismo terão também acesso à previdência social e à educação em escolas regulares, sendo prevista, inclusive, a presença de um acompanhante especializado. Ainda, terão direito ao atendimento preferencial em bancos e repartições públicas e benefícios como a reserva de vagas em empresas com mais de 100 funcionários.
Superintendência de Comunicação Institucional

http://www.cmbh.mg.gov.br/noticias/2013-01/belo-horizonte-se-antecipa-na-defesa-das-pessoas-com-deficiencia

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Músico Autista, vai brilhar na Copa do Mundo


"Eu tive um sonho com a banda quando eu tinha 18 anos.  Eu estava conversando com um dos membros da banda e eu disse "uau, isso é música agradável você está jogando, o que é o nome da sua banda?" "DRS eles disseram".  "O que isso significa?" "Oh, eu não sei", responderam eles.

Dean Rodney, 23, é o cérebro por trás do projeto Dean Cantores Rodney.
Em 2009, ele escreveu uma canção chamada Dean Rodney Cantores MIMI A música expressa a sua visão de uma banda global feita de 72 artistas com e sem deficiência trabalhando juntos. 

Desde então, sua visão se expandiu e ele criou um mundo de fantasia toda feita de personagens únicos e criaturas que vivem em sete dimensões.  É este mundo que a banda vai trazer para a vida através da música, dança, cinema e vídeo.


Dean tem uma visão interessante sobre o mundo, que é informado pelo seu autismo. 
 Este projeto torna possível para Dean para compartilhar a sua maneira de ver o mundo. 
 Ele quer convidar as pessoas e verifique se eles têm diversão.

Dean é o homem rapper, co-compositor e diante da polícia Peixe.  Mistura de rap, funk e punk eles criaram um som único, com um toque urbano.
Rap desde a idade de 12, a música é uma paixão de Dean.
Suas preferências são ecléticas, ele cita Will Smith, Kraftwerk e Daft Punk como principais influências musicais.
Dean tem uma imaginação fértil e suas idéias formam a base das músicas do grupo.  Ele também é um grande fã de fast food, videogames e desenhos animados, ele nomeou o grupo depois de um de seus favoritos, The Police Peixe.

Another key influence on Dean is his love for Japan. Outra influência importante sobre Dean é o seu amor para o Japão.  Ele ama tudo japonês, incluindo os alimentos, filmes e desenhos animados manga. Sua paixão pela cultura ressoa por muitas das canções do grupo. Dean é também um auto confessou internet geek e quando ele não está criando música, ele está a aproximar-se no Facebook, verificando filmes e vídeos no YouTube, assistindo artes marciais ou a criação de seus próprios filmes em seu computador tablet.


http://deanrodneysingers.com/dean