quarta-feira, 29 de maio de 2013

ONU pede intervenção precoce para pessoas com espectro do autismo

Secretário-Geral afirma que diagnóstico e tratamento precoces podem ajudar pessoas com transtorno a melhorar suas habilidades

Foto: UN Photo/Evan Schneider
Ban Ki-moon, Secretário-Geral da ONU
Ban Ki-moon, Secretário-Geral da ONU
No Dia Mundial de Conscientização do Autismo, 2 de abril, o Secretário-Geral da ONU Ban Ki-moon pediu atenção internacional para o autismo e outros transtornos do desenvolvimento.
Segundo o secretário, intervenções precoces podem ajudar as pessoas com autismo a alcançar ganhos significativos em suas habilidades.
"Agora é o momento de trabalhar para uma sociedade mais inclusiva, destacar os talentos das pessoas afetadas e assegurar oportunidades para realizar o seu potencial. A atenção internacional é essencial para enfrentar o estigma, a falta de consciência, de estruturas e de apoio inadequados", afirmou Ban.
O autismo é caracterizado por diversos graus de deficiência em habilidades de comunicação e interações sociais e padrões repetitivos de comportamento.
Em sua mensagem de vídeo para o Dia Mundial, Ban Soon-taek, a esposa do Secretário-Geral, observou o compromisso da ONU para aumentar a conscientização sobre o autismo. "Vamos continuar a trabalhar lado a lado com os indivíduos afetados para fortalece suas vidas e ajudar a sociedade como um todo", afirma a Sra. Ban.
Em Nova York, dois painéis de discussão acontecem hoje para celebrar as capacidades das pessoas com autismo. A sede da ONU em Nova York também está organizando uma performance musical, que inclui artistas com autismo, bem como uma sessão de cinema.
Dia Mundial
A Assembleia Geral aprovou por unanimidade, em dezembro de 2007, o dia 02 de abril como Dia Mundial de Conscientização do Autismo para destacar a necessidade de ajudar a melhorar as vidas de crianças e adultos que sofrem da condição, para que possam levar uma vida plena e significativa.

domingo, 19 de maio de 2013

DIA MUNICIPAL DE CONSCIENTIZAÇÃO DO AUTISMO EM 7 LAGOAS

Diário Oficial Eletrônico do Município de Sete Lagoas Ano 1 Sete Lagoas, 14 de maio de 2013 Número 20
Página 2
LEI Nº 8.240 DE 08 DE MAIO DE 2013.
INSTITUI O DIA MUNICIPAL DE CONSCIENTIZAÇÃO DO AUTISMO.
O Povo do Município de Sete Lagoas, por seus representantes legais votou, e eu em seu nome sanciono a seguinte Lei:
Art. 1º Fica instituído, no âmbito do Município de Sete Lagoas, o Dia Munici
pal de Conscientização do Autismo, a ser comemorado no dia 02 de abril de cada ano.
Art. 2º O Dia Municipal de Conscientização do Autismo será incluído no Calendário Municipal.
Art. 3º São objetivos do Dia Municipal de Conscientização do Autismo:
I – conscientizar a população sobre o autismo;
II – promover campanhas educativas que visem a eliminar qualquer forma de discriminação aos autistas;
III – ampliar as medidas de inclusão social e a participação comunitária dos autistas.
Art. 4º Os órgãos públicos e as entidades privadas poderão evidenciar seu apoio ao Dia Municipal de Conscientização do Autismo através de iluminação na cor azul, símbolo mundial da causa, dos monumentos e edificações que administrem.
Art. 5º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Prefeitura Municipal de Sete Lagoas, 08 de maio de 2013.
MARCIO REINALDO DIAS MOREIRA
Prefeito Municipal
SELMA GERALDA PONTELO
Secretária Municipal de Assistência Social
HELISSON PAIVA ROCHA
Procurador Geral do Município
(Originária do Projeto de Lei nº 041/2013 de autoria do Vereador Alcides Longo de Barros)

terça-feira, 7 de maio de 2013

Governo de Minas propõe políticas públicas voltadas para o atendimento ao autista



quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Governo de Minas propõe políticas públicas voltadas para o atendimento ao autista


Postagens no Facebook aproximaram o secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques, de familiares e amigos de pessoas com portadoras de Autismo. Trata-se de uma alteração que afeta a capacidade de comunicação, de socialização e de comportamento do indivíduo. 
Nesse encontro, realizado na Cidade Administrativa de Minas Gerais, onde vieram a convite do secretário, as lideranças deram o primeiro passo no sentido de se criar uma política pública, voltada para a qualificação do distúrbio, tratamento e formas de atendimento. 
Entre as propostas apresentadas pelo secretário, o destaque é a preparação da Rede de Atenção à Saúde para receber e os autistas. “Vamos criar, também, um convênio de apoio técnico financeiro para a contratação de especialistas”, adiantou o secretário. Antônio Jorge propôs, ainda, a criação de um Curso de Gestão Clínica em Autismo, voltado para a capacitação de professores e trabalhadores da Saúde. “O curso, que será transmitido pelo Canal Minas Saúde para todas as unidades de Saúde no Estado, terá como proposta a capacitar todos os profissionais, com o consequente alinhamento conceitual sobre a doença”, finalizou.
O representante do Instituto Superação, que reúne pais e pessoas ligadas a pacientes autistas, Maurício Moreira, garantiu que as maiores dificuldades estão no tratamento da doença. “Trabalhamos atualmente com 200 famílias na capital e 250 em Governador Valadares. Participamos de várias audiências públicas para a mudança da forma de atendimento, pois os autistas são capazes; só precisam ser tratados adequadamente. Queremos dar a oportunidade de interação dessas pessoas com a sociedade, possibilitando o desenvolvimento de habilidades para inseri-los no mercado de trabalho”, explicou.
O coordenador do Laboratório de Musicoterapia da Escola de Música da UFMG, Renato Sampaio, fez uma avaliação positiva da reunião. “O resultado da reunião superou a expectativa dos participantes. Ficamos surpresos com as propostas apresentadas pelo Secretário. A criação de políticas públicas para o autismo representa uma conquista para os portadores da doença e esperança para a resolução dos problemas enfrentados por eles. A amplitude do que foi apresentado foi além do que o grupo esperava”, finalizou emocionado. 
Ceila Reis, de Poços de Caldas, mãe de adolescentes autistas, acredita que o maior problema ainda é o diagnóstico tardio da doença. “Tenho dois filhos adolescentes e convivo com as dificuldades de inserção social dos meus filhos, devido ao diagnóstico tardio. É preciso identificar a doença no início da infância. A criança responde melhor ao tratamento e, consequentemente, desenvolverá com mais facilidade a sua funcionalidade”, enfatizou.
Uma nova reunião, com todos os representantes foi agendada para o próximo mês. O objetivo é dar continuidade às discussões sobre o assunto e analisar o andamento das propostas definidas. 
Participaram, também, da reunião, Marcílio Dias Magalhães, superintendente de Redes de Atenção à Saúde SES/MG; Mônica Farina, coordenadora da Coordenação de Apoio à Pessoa com Deficiência (Casped); Marta Lopes, Assessora de Gabinete; Denise Martins Ferreira, representante do Instituto Superação, e Juliana Chiari, diretora da Coordenadoria Especial de Apoio e Assistência à Pessoa com Deficiência (Caad), da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese). 

Hoje em Dia Autismo atinge mais de dois milhões de brasileiros